25 de junho de 2008

Unidades de Lecor II - Esquadra da Bahia (1795/1796) - 2.ª Parte

Continua daqui (Parte I).

Assim, no dia de Natal de 1795, a Esquadra do Brasil parte, sob o comando do tenente general Bernardo Ramires de Esquível, a bordo da Nau ‘Príncipe Real’, em comboio com todos os navios de comércio que estavam prontos a partir nesse dia.

A Nau ‘Príncipe Real’ foi construída em 1771, sob o nome de ‘Nossa Senhora da Conceição’. Depois de 1794, após obras de beneficiação, toma o nome de ‘Príncipe Real’. Com uma guarnição de 950 homens, esta que era a maior nau portuguesa do seu tempo, era constituída por uma equipa de artilharia de entre 114 e 130 homens, assim distribuídos no seu complemento máximo:
Forte de S. Diogo, Salvador (fonte: wiki)

1 Capitão
2 1.º Tenentes
2 2.º Tenentes
125 Sargentos, soldados e tambores

Além destes, havia 150 homens de infantaria e um complemento de 670, entre marinheiros e outro pessoal embarcado.

A artilharia embarcada estava dividida em 2 baterias, cada um com cerca de 30 peças de 24. Além destas haveria mais 8 peças de 12, 6 carronadas de 36 e 6 obuzes de 24 no tombadilho.

A viagem de Lisboa à Bahia é feita em 46 dias, e segundo o tenente general Bernardo de Esquível, em carta que dirige ao Conde de S. Vicente, é a ‘mais feliz que se pode fazer’. O único problema foi uma epidemia que o tenente general não especifica a causa, mas informa ter-lhe custado a morte de 8 homens e duzentos doentes em terra.
A esquadra chega, pois, à Bahia a 9 de Fevereiro de 1796, com a intenção de fazer a viagem de regresso o mais depressa possível, mas a cidade de Salvador, afectada por uma seca generalizada tinha poucos víveres, o que os encarecia e dificultava a compra, assim como os doentes que demoravam a recuperar.
Diz Bernado Esquível que “não há farinha de guerra, não há carne, não há legumes, não há arroz”.

A viagem de volta a Lisboa, que se inicia a 1 de Abril, é mais complicada que a ida. Segundo carta-relatório do comandante, a 25 de Julho (já em Lisboa), a viagem é “dilatada e trabalhosa” por duas razões:

Primeira, maus ventos e calmas, os piores inimigos da navegação atlântica;

Segunda, a má qualidade dos navios que compunham o comboio, e que obriga a esquadra a dar fundo na ilha do Faial (Açores) para mantimentos e aguada. Alguns dos navios mercantes já pedeciam de sede e fome.

É nessa paragem no Faial, que dura 5 dias, que Bernardo Esquível toma conhecimento que uma esquadra inglesa, comandada pelo Lord Hugh Seymour, tinha por missão encontrar a esquadra portuguesa e escoltá-la a Lisboa, no qual faria grande gosto.

Cabo da Roca (fonte: wiki)
A 60 léguas do cabo da Roca, dá-se o acontecimento de maior tensão de toda a campanha. Dois navios de guerra não identificados aproximaram-se da esquadra. O mais próximo aproximou-se mais ainda e largou a bandeira francesa. O comandante português deu ordem de caça, também sem bandeira largada.
Entretanto, a dita fragata desconhecida, aproximando-se mais ainda, arreiou a bandeira francesa e larga a inglesa, disparando um tiro de saudação. Nessa altura a esquadra do Brasil largou a bandeira portuguesa e respondeu à saudação.

Anulando a ordem da caça, a esquadra do Brasil junta-se a outra esquadra para juntos entrarem no porto de Lisboa. Ao todo, eram 12 navios de guerra, 7 naus da Índia, 3 particulares e 23 de praça com carga do Brasil.

As doenças que afectaram apenas a nau ‘Príncipe Real’ na viagem para a Bahia, afectaram toda a esquadra na volta para Lisboa. O Capitão-de-Mar-e-Guerra João Gomes da Silva Telles, comandante da fragata Ulisses, falece devido a doença, sendo substituído pelo Capitão de Fragata Daniel Thompson. O próprio comandante da esquadra, Bernado Ramires de Esquível, adoece.

Chegam a 25 de Julho de 1796, escoltando carga no valor de 2,152,798$451.

Não sabemos se Carlos Frederico Lecor terá sido afectado pela epidemia, mas sabemos que esta missão marca o final da sua carreira como oficial de artilharia. No ano de 1797, ele entrará na Legião de Tropas Ligeiras, sob o comando do Marquês de Alorna, D. Pedro José de Almeida Portugal, com quem ficará até 1807.

1 comentário:

Francisco Castelo Branco disse...

Ola! Vi o seu blogue e gostei bastante. Tem muito conteudo e bastante interesse......
Tenho um blogue . É www.olhardireito.blogspot.com ..... Gostava que o visitasse e desse uma opinião....

Obrigado pela atençao

Cumprimentos