28 de abril de 2012

O Último Comando de Lecor

Fuzileiros, Guarda Nacional (1840-1845),
Ofic. Brito & Braga (fonte: wiki)
A 18 de agosto de 1835, a meros 11 meses e meio da sua morte e contando quase 71 anos de idade, Carlos Frederico Lecor é nomeado Comandante Superior da Guarda Nacional do Município do Rio de Janeiro. Este é o seu último comando, sendo incerto se chegou a assumir as suas funções.

A Guarda Nacional, constituída pelas antigas 2.ª e 3.ª linhas (as Milícias e as Ordenanças), é fundada pela Regência a 15.8.1831, após a abdicação do Imperador D. Pedro I. Nesse contexto, a Guarda Nacional, tendo nas suas fileiras as classes mais abastadas, apareceu como uma forma de contrabalançar os possíveis ímpetos restauracionistas do Exército, constituído pelas classes mais baixas. Funcionava como uma força militarizada ao serviço dos órgãos do poder judiciário, desde o Ministério da Justiça aos juízes da paz e apenas assumia um caráter mais operacional, do ponto de vista militar, quando a 1.ª linha (o Imperial Exército) se encontrava em campanha.

Quatro anos após a fundação, é interessante que o Marechal Lecor se veja nomeado Comandante Supremo da Guarda Nacional na capital do império, pois demonstra claramente que apesar de ser nascido em Lisboa, e não ser brasileiro nato, era bastante considerado pelos poderes estabelecidos após a abdicação de D. Pedro para que um posto de tal confiança lhe fosse atribuído. 

Falamos de uma época histórica onde o partido brasileiro e o português (ou 'caramurú', ou restaurador), para além dos radicais, se degladiavam pelo poder. Apenas três anos antes, pela residência de Lecor e Rosa, sua esposa, junto à ponte do Aterrado, km e meio a oeste do que é hoje a Central do Brasil, passaram excitados, dando vivas a D. Pedro I, e voltaram derrotados e feridos uma partida de 100 homens liderados por um hanoveriano dito Barão de Bulow, tendo sido de permeio derrotados por 200 guardas municipais e outras forças, no Rossio (hoje Pç. Tiradentes).

Não sei se Lecor chegou a assumir este comando importante, pois as fontes indicam que ele faleceu após doença prolongada. Ainda assim, é de crer que sendo o cargo de relevância mais cerimonial que operacional, o velho soldado o tenha assumido nas oportunidades que a doença lhe terão aberto. Assim foi o último comando do nosso amigo Carlos Frederico.

1 comentário:

João Marcos disse...

Vou participar do desfile do 7 de Setembro pelo meu colégio (Objetivo) e vou me fantasiar de Lecor, você teria uma foto com a maior precisão possível da roupa dele?