29 de novembro de 2009

Lecor e a carga de Infantaria 14 em St. Pierre de Irube (13.12.1813)


Tendo lido no blogue Lagos Militar, do João Centeno, que foi lançado um livro acerca do Regimento de Infantaria n.º 14 (Tavira), coordenado pelo Coronel Rui Moura, achei por bem renovar a minha ofensiva bloguista (há muito adiada) com a transcrição de uma carta do então Marechal de Campo Carlos Frederico Lecor (hoje em dia seria Major-General) ao Ajudante General Manuel de Brito Mozinho, acerca do papel do seu comando nos acontecimentos de 13 de Dezembro de 1813, o último dia da Batalha de Nive.

Defronte de Baiona, na França, e durante 5 dias as forças francesas atacaram o Exército Anglo-Português tanto na margem esquerda do rio Nive (de 9 a 12 de Dezembro), como na margem direita (a 13 do mesmo mês).

A Batalha de St.Pierre, como é particularmente conhecida a acção do dia 13, por acontecer junto a St.Piere de Irube, consistiu no ataque francês em 3 sítios defronte dos altos de Mouguerre, em frente a Baiona no lado direito do rio Nive (a oeste, em VilleFranche; ao centro defronte de Horlopo; e a leste, em Vieux Mouguerre). O dia foi particularmente sangrento porque as forças aliadas neste lado do rio - o Corpo de Rowland Hill, constituído pela 2.ª Divisão e pela Divisão Portuguesa, estavam isoladas do resto do Exército Aliado.
Apesar de Wellington ter enviado outras divisões, mal se apercebeu dos movimentos franceses, foram as duas divisões isoladas que resolveram o dia, com os seus próprios recursos.

A Divisão Portuguesa, na reserva, entrou em acção já de tarde, quase ao final da acão, com a sua Brigada do Algarve (Infantaria 2 e 14) de Hipólito da Costa, a preencher uma parte da frente, entre o 71.º e o 50.º Regimentos ingleses (Brigada Barnes, da 2.ª Divisão) que estava em perigo sério de ceder aos franceses.

A acção da Brigada do Algarve nesta zona foi vital para que a linha fosse mantida, e as acções de Infantaria 14 são particularizadas por Lecor, nomeadamente uma carga à baioneta feita pelo 2.º Batalhão do regimento para apoiar o 1.º Batalhão, que estava em apuros. A prova da intensidade destes combates foi que vários generais foram feridos na acção, nomeadamente o próprio Lecor.

Aqui fica então a carta:

Illmo. Senhor,

Tenho a honra de remeter a V. S. para aprezentar ao Illmo. Exmº Sr. Marechal Marquez de Campo Mayor o Mappa dos mortos e feridos que a Divizão do meu commando teve na acção do dia 13 do corrente em frente de Bayona; tendo ao mesmo tempo a satisfação de poder assegurar a S. S. que a conducta dos Corpos que a compoem foi a mais bizarra, não podendo deixar com tudo de particularizar o 2.º Batalhão do Regimento n.º 14 pella brilhante carga que executou debaixo do meu immediato commando, atacando o inimigo à baioneta pª poder desembarassar o 1.º Batalhão do mesmo regimento quando se vio obrigado a seder o terreno para evitar de ser involvido por huma força supperior de Voltigeurs, que o atacárão, os quaes voltarão caras precipitadamente perdendo a pozição, e deixando em poder do 2.º Batalhão alguns prizioneiros.


Meresse ser levado à prezença de S. Exª o modo distincto com q os Commandantes das duas Brigadas o Sr. Antº Hipolito Costa, e o Sr. J. Buchan prehencherão os seus deveres assim como a conducta dos Commandantes dos Corpos o Sr. Cor. Jorge de Avilez de n.º 2, o Sr. Cor. Luis Maria de n.º 10, o Major Rodrigo Vito Moreira
[Rodrigo Vito Pereira] Comandante interino de n.º 14 o Ten. Cor. Hill de n.º 4, do Cap. Pamplona graduado em Major do Bat. de Cassadores n.º 10, e a do Ten. Cor. Tulloh Commandante da Artilharia, o qual depois de se ter comportado com a intelligência do costume foi ferido gravemente.

Não devo deixar de rogar a V. S. queira por na prezença de S. Ex. que entre os bravos officiaes que ficarão no campo de honra o Capitão Urbano Xavier Henriques do Regimento n.º 14 que morreu à testa da sua Companhia era cazado, e que a sua infeliz viúva se faz credora da protecção de S. Ex.


Os Srs. Brigadeiros Costa e Buchan me aprezentarão os nomes dos indeviduos que debaixo das suas vistas tiverão mais ocazião de se poderem destinguir, dos quaes remeto relação para conhecimento de V. Ex.


Seria faltar ao meu dever se deixasse em esquecimento os nomes dos indeviduos que durante a acção, e dispozições para ela me assistirão como officiaes do estado mayor desta Divizão dando-me provas de entelligencia zello,e actividade pelo que tenho ahonra de os recomendar a S. Ex, sendo os seguintes =
O Ten. de Cav. D. Gastão da Camera –Ajd. de Campo do Exmo. Gen. Hamilton. O Ten. Joze Ferrira da Cunha = meu Ajudante d’Ordens. O Ten. do Exército de S.M.B. Grifits.

Além dos officiaes que constão das relações dadas pellos Srs. Commandantes de Brigada me foi recomendado no momento da acção o Alferes do Regimento n.º 14 António Lobo da Silva cujo Alferes se unio ao Batalhão de Cassadores com huma partida do mesmo Regimento.


Deos guarde a V. Sª.
Quartel de Moguerre, 16 de Dezembro de 1813
Illmo. Sr. Manoel de Brito Mozinho


P.S.: O Major Pereira commandava o 2.º Bat. do Regimento n.º 14 no momento em q mandei atacar à baioneta, e depois de ser ferido o major [Jacinto Alexandre] Travassos q com todo o valor foi ferido he q recahio o Commando do Regimento no dito Major Pereira.


Carlos Frederico Lecor

M. de C.


[AHM, 1.ª Divisão, 14.ª Secção, Caixa 243, n.º 7]

(Imagem acima, retirada da revista Highland Light Infantry Chronicle, Janeiro de 1914, p.40 e pode ser vista em http://books.google.pt/books?id=pCxtyaZr8ZQC)

Retificação (já corrigida nesta postagem), com agradecimento a Rui Pereira, em http://lecor.blogspot.pt/2010/09/retificacao-batalha-de-st-pierre.html .

6 comentários:

João Torres Centeno disse...

A batalha de St Pierre é uma pagina de honra e orgulho do exercito português. Se há uma batalha "portuguesa" é esta.

moises disse...

Realmente esta batalha merecia uma reavaliação do papel das tropas portuguesas... Oman 'despacha' a acção da divisão portuguesa muito por alto; o mesmo para a brigada de Ashworth...

João Torres Centeno disse...

Com possivel interesse.
http://books.google.com/books?id=eu4vAAAAYAAJ&pg=RA1-PA1159&dq=Carlos+Frederico+Lecor&as_brr=1&ei=EF4_S7-iGo3MzQSwodH7AQ&cd=7#v=onepage&q=Carlos%20Frederico%20Lecor&f=false

Rui Pereira disse...

Foi com muito interesse que li este seu post. Gostaria apenas de rectificar dois nomes: o Major Travassos é Jacinto Alexandre e não José Alexandre, e o Major Rodrigo Vito é Pereira e não Moreira - aliás devem ser a ele as referências finais a um Major Pereira.

A participação de Infantaria 14 na Guerra Peninsular, e em especial na batalha de Nive, interessa-me muito pois muitos parentes meus tomaram parte neste combate. Jacinto Alexandre Travassos (que faleceu oito dias depois desta batalha em consequência dos ferimentos sofridos) é meu antepassado e Urbano Xavier Henriques e António Lobo da Silva são também meus parentes.

Rui Pereira

Moura disse...

Para os interessados ainda há disponíveis livros com a história do RI14: "O 14 de Infantaria". Contactem-me.

moises disse...

Caro senhor:

Estou interessado no livro. Como é que contacto consigo?

Moisés Gaudêncio
mengaudencio«arroba»gmail.com