6 de maio de 2008

As Famílias Lecor, Krusse & Buys

O período formativo de Carlos Frederico Lecor passou-se, em maior ou menor medida, no seio de 3 famílias, todas ligadas entre si, pertencentes aquilo que se convenciona chamar de burguesia mercantil. Primeiro, a própria família Lecor, formada por Louis Pierre e D. Quitéria, pais de Carlos. Por parte da D. Quitéria temos a família Krusse (também grafada Kruse ou Cruzi) e a família Buys (grafada também Buiz, Buis ou Buyz).

A mãe de Carlos, D. Quitéria Marina Luísa, era por parte do pai, uma Krusse, e por parte da mãe, uma Buys. Ambas estas famílias operavam negócios em Lisboa, mas fundamentalmente no Algarve, onde entre outras coisas mantinham Caíques (barcos tradicionais do sotavento algarvio, e que deram supostamente origem às caravelas) que transportavam cereais de Mértola para Faro e daí para Lisboa.

Ora, com base nas localizações de nascimentos, casamentos e mortes, consigo estabelecer um triângulo geográfico onde posso localizar o tal período formativo de Carlos Frederico: Lisboa, no ângulo superior, e Portimão e Faro, nos inferiores. Cada cidade está relacionada com uma das famílias;

- Os Krusse originalmente de Portimão, terão ido para Lisboa após o terremoto de 1755; tinham negócios em Faro;
- Os Buys, com negócios e moradia em Faro (juntamente com os Krusse);
- & os Lecor, inicialmente estabelecidos em Lisboa, mas cujos filhos todos acabam em Faro, o que explica o facto de todos se terem alistado no Regimento de Artilharia aí sediado.

Os 3 apelidos têm também origens internacionais, sendo os Krusse de Hamburgo, os Buys da Holanda e os Lecor de Paris. Curioso será notar que dos 4 avós de Carlos Frederico, não há um único nacional português, excepto talvez Catarina Maria Buys, portuguesa de 1.ª geração, filha por sua vez de um holandês e de uma espanhola.

Assim, serve este post de introdução a outras personagens que iremos falar no futuro, tais como o tio-padrinho, Carlos Frederico Krusse; a irmã de Carlos, D. Maria Leocádia Leonor e o seu marido, João Pedro Buys (por sua vez sócio de Carlos Frederico Krusse); ou o jovem alferes Carlos Ernesto Krusse que morre em combate a 19 de Novembro de 1816, na chamada batalha de India Muerta, ao serviço da Divisão de Voluntários Reais, na Banda Oriental.
Não esquecerei também Vicente Antônio Buys, artilheiro, que acompanhou Lecor na escolha do serviço brasileiro (daí o acento circunflexo, à moda americana).

1 comentário:

Marília disse...

Engraçado. Em minha árvore genealógica aparece Quitéria Luísa Marina (Buys) Krusse e toda sua ascendência e descendência. Eu não tenho o sobrenome Buys, não chegou em mim. Mas meu avô o tinha.
Da parte do Lecor e Krusse há apenas um nome de cada na minha árvore.

Estou passando toda ela para o computador. Se ficares interessado, mande-me um e-mail.

mfernandes_rs@hotmail.com